fbpx

Presidente do Conselho de Administração do FGCoop aposta em união e intercooperação para fortalecer o cooperativismo financeiro no Brasil

Responsável pela estabilidade, proteção e segurança do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo, o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop) é parceiro da Confebras na missão de promover a intercooperação para fortalecer as cooperativas independentes e todo o segmento cooperativista financeiro.

Uma das iniciativas de intercooperação entre as duas instituições é o BureauCoop, o painel de dados do cooperativismo financeiro brasileiro, uma iniciativa inovadora que tem levado informação estratégica às cooperativas e à sociedade. A democratização dos dados sobre o cooperativismo de crédito é uma das apostas do FGCoop e da Confebras para o fortalecimento do SNCC e tema de um novo Termo de Cooperação assinado em 2023 entre as duas entidades cooperativistas.

Prestes a completar 10 anos de existência, o FGCoop atua como uma rede de proteção das cooperativas de crédito e garante segurança para os 18 milhões de brasileiros que confiam suas economias e movimentações financeiras ao nosso modelo de negócio.

Em entrevista à Confebras, o presidente do Conselho de Administração do FGCoop, Dr. Luiz Antônio Ferreira de Araújo, falou sobre o papel do Fundo, a parceria com a Confebras e fez um chamado às cooperativas brasileiras para colocar em prática a intercooperação.

 

Leia a entrevista completa:

A Confebras tem a intercooperação como uma de suas principais bandeiras, e tem realizado iniciativas para fomentar esse processo em todo o SNCC. Na sua visão, como a intercooperação pode fortalecer o cooperativismo financeiro no Brasil?

Dr. Luiz Antônio: Um dos princípios do cooperativismo é a Intercooperação. É fundamental que as cooperativas de crédito promovam ações em parceria com o objetivo de fortalecer o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. A promoção da Intercooperação é uma prioridade para o FGCoop, pois reconhecemos que a colaboração mútua é fundamental para fortalecer as cooperativas e todo o SNCC. Para alcançar esse objetivo, é essencial implementar efetivamente esse princípio cooperativista, por meio de iniciativas que aprimorem as operações diárias das cooperativas e otimizem o atendimento aos cooperados. O FGCoop participa de ações de intercooperação no Brasil e no exterior. No Brasil, integramos o Comitê de Intercooperação do Conselho Consultivo do Ramo Crédito do Sistema OCB (CECO) e o Grupo Técnico do Ramo Crédito do Sistema OCB. Além disso, somos parceiros da Confebras em duas ações de intercooperação: o Painel do Cooperativismo BureauCoop e o Confebras UNE. No exterior, o FGCoop é membro da Associação Internacional de Seguradores de Depósitos (International Association of Deposit Insurers – IADI) e tem uma cadeira no conselho da entidade. Integramos também a Rede Latino-americana de Fundos de Proteção Cooperativa.

 

O BureauCoop foi criado pela Confebras para facilitar acesso aos dados do cooperativismo financeiro, tanto para as cooperativas, quanto para a sociedade de forma geral. Para fazer isso acontecer, a confederação aposta na intercooperação e tem o FGCoop como parceiro, junto com a Ocesc e o Sistema OCB. Como se dá a intercooperação para divulgação dos dados no painel?

Dr. Luiz Antônio: A intercooperação para divulgação dos dados no painel é uma colaboração estratégica entre a Confebras, o FGCoop, a Ocesc e o Sistema OCB. Essa parceria envolve a troca de informações relevantes entre essas entidades, permitindo uma compilação abrangente e precisa dos dados do cooperativismo financeiro brasileiro. O papel do FGCoop nessa parceria é o compartilhamento de informações sobre as cooperativas de crédito do país inteiro, além de dar apoio à divulgação do painel em ações conjuntas com a Confebras.

 

Qual a importância de disponibilizar uma base de dados gratuita e atualizada sobre o cooperativismo financeiro?

Dr. Luiz Antônio: Um painel de dados completo, gratuito e atualizado como o BureauCoop é crucial por diversos motivos. Em primeiro lugar, porque promove a transparência no setor, permitindo que as cooperativas, os reguladores e a sociedade em geral tenham acesso a informações precisas e relevantes. Essa transparência fortalece a confiança nas instituições financeiras cooperativas. Além disso, o acesso fácil aos dados atualizados facilita o planejamento estratégico das cooperativas, contribuindo para a eficiência e sustentabilidade do sistema como um todo. A disseminação de informações também promove a educação financeira, permitindo que os membros das cooperativas compreendam melhor o funcionamento do sistema cooperativo e tomem decisões mais assertivas.

 

O FGCoop e a Confebras firmaram um Termo de Cooperação que prevê atuação conjunta para fortalecimento do SNCC por meio da democratização dos dados. Como isso pode beneficiar o ecossistema cooperativo de crédito?

Dr. Luiz Antônio: A atuação conjunta prevista no Termo de Cooperação entre o FGCoop e a Confebras para a democratização dos dados é um passo significativo para fortalecer o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. Disponibilizando dados de forma acessível e transparente, o ecossistema cooperativo de crédito se beneficia ao ganhar visibilidade e credibilidade. Isso atrai potenciais membros, investidores e parceiros, fortalecendo a posição das cooperativas no mercado financeiro. Além disso, a democratização dos dados permite uma análise mais aprofundada do setor, possibilitando a identificação de oportunidades de melhoria e a implementação de práticas mais eficientes. No geral, esse esforço conjunto contribui para um SNCC mais resiliente e competitivo.

 

Qual é o papel institucional do FGCoop dentro do SNCC?

Dr. Luiz Antônio: O FGCoop desempenha um papel crucial no fortalecimento do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. Sua função institucional envolve a promoção da estabilidade e segurança no setor, atuando como uma rede de proteção desse ecossistema. O FGCoop respalda as cooperativas de crédito em momentos desafiadores, fornecendo garantias e apoio financeiro quando necessário. Além disso, desempenha um papel ativo na promoção da solidez financeira das cooperativas, contribuindo para a confiança dos membros e do mercado em geral. Em resumo, o FGCoop atua como um pilar fundamental para a sustentabilidade e prosperidade do SNCC.

 

Que mensagem o FGCoop tem para as cooperativas de crédito no encerramento de um ano tão importante para o SNCC como 2023?

Dr. Luiz Antônio: Nossa mensagem é de confiança e colaboração para reforçar a importância da união e da intercooperação no enfrentamento de desafios do setor. Destacamos a necessidade contínua de práticas sólidas de gestão financeira e a importância das cooperativas manterem-se atualizadas com as informações disponibilizadas no BureauCoop. Além disso, as encorajamos a aproveitarem os recursos e o apoio oferecidos pelo FGCoop, reforçando o compromisso conjunto de fortalecer o cooperativismo financeiro no Brasil.

Facebook
Twitter
LinkedIn

O que você achou desse conteúdo?

Receba nosso conteúdo por e-mail

Confira, em primeira mão, todas as novidades, notícias e informações sobre o universo do cooperativismo.
©CONFEBRAS | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS